Pular para o conteúdo

A lenta morte da fotografia analógica (eu sei)

Eu vejo os jovens de hoje ficando maravilhados com algumas coisas do passado e percebo como nós não possuímos memória. Podemos ver isso diariamente nas redes sociais. Novas empresas lançando produtos que já existiam há décadas como se fossem uma grande novidade. Eu comecei na fotografia em 1995. Equipamentos digitais mais básicos já existiam, mas estavam muito longe de nossa realidade. Fotografei com muito filme 35mm, com médio formato, tanto positivo quanto negativo. Aprendi a revelar meus filmes em preto e branco e fazer as cópias em papel. Passei tardes inteiras dentro de um laboratório quente e com produtos químicos nocivos à saúde para conseguir 30 fotos bacanas. Olhando para esse passado eu posso dizer sinceramente: não tenho saudade de nada.

Infelizmente os jovens estão redescobrindo a fotografia tradicional, feita com químicos e muito filme fotográfico. Alguns aderiram à "novidade" e dizem que é uma experiência criativa, uma forma diferente de ver o mundo e outros até que essa é a verdadeira fotografia. Um monte de besteiras. O ato fotográfico é o mesmo, envolve os mesmos fatores, só mudou o suporte. Antes era químico, agora é digital. E só vejo vantagens no digital. Muita gente ficou doente e morreu cedo por conta do uso constante de produtos químicos na revelação das fotos. Os próprios produtos, que os laboratórios caseiros jogavam diretamente no ralo da pia, são extremamente tóxicos para o meio ambiente. O tempo perdido para revelar alguns rolos de filme era gigantesco e químicos e papeis custavam muito caro. Não conheço ninguém que tenha a fotografia como ganha pão que tem saudades desse tempo.

Porém, o fotógrafo hipster que mais tenho pena é aquele que diz que a fotografia verdadeira é aquela que você tira direto na câmera, sem a necessidade da edição que fazemos com a fotografia digital em um pós processamento. Porém, o pobre "fotógrafo" não entende que tudo o que ele odeia na fotografia digital é executado pelo técnico de laboratório que está revelando suas fotos. Aliás, a maior parte das ferramentas encontradas nas primeiras versões do Photoshop são inspiradas em ferramentas encontradas no laboratório fotográfico tradicional.

Em um mundo normal a fotografia tradicional com produtos químicos já deveria ter morrido. Mas, temos um movimento saudosista que está levando a indústria a trazer dos mortos alguns filmes fotográficos clássicos e novas câmeras são prometidas, principalmente nos esquemas de financiamento coletivo. Mas, não se enganem, isso é muito pouco para manter toda uma rede produtiva funcionando. Tanto esses filmes quanto câmeras são produzidos em escalas bem pequenas, pois poucos estão propensos a investir dinheiro nisso.  Hoje já é muito difícil encontrar produtos químicos e papel fotográfico para revelação em preto e branco. O pouco que temos disponível está atingindo valores muito altos, inviabilizando manter o processo nos antigos laboratórios caseiros.

Semana passada tivemos mais uma notícia que mostra como as coisas estão caminhando para o inevitável fim. A Tetenal, uma das maiores fabricantes de químicos fotográficos do mundo, anunciou que vai fechar as suas portas. A empresa foi fundada em 1847 e chegou a uma situação financeira insustentável em 2018. A empresa tentou uma reestruturação e abriu suas portas para investidores externos, mas ao que parece não teve sucesso nessa empreitada. Nessa semana ficamos sabendo que os funcionários da fábrica da Tetenal em Norderstedt, na Alemanha, foram avisados que a empresa terá o seu fim no dia 1º de abril de 2019. São 172 anos de história que começou com o empresário de Berlin Theodor Teichgräber que em 1847 começou a vender produtos químicos para fotografia em placas de colódio em sua drogaria. E como isso vai afetar o mundo da fotografia? A Tetenal é uma das principais fornecedoras de produtos para empresas como Kodak e Ilford, duas empresas grandes do setor que ainda continuam a produzir filme, papel fotográfico e produtos para revelação. Como isso pode afetar o cotidiano dessas empresas, e o custo para o consumidor, ainda não sabemos.

O mundo da fotografia é digital, e vai ficar cada vez mais. Ainda existem focos de resistência, mas eles estão diminuindo. E isso não é ruim. Deixem a fotografia tradicional e seus produtos químicos descansarem em paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.